O Golpe dos Influenciadores da Resina Epóxi

Já tem um tempo que eu queria escrever esse post sobre o golpe dos influenciadores da resina, mas eu não queria arrumar treta com ninguém e esperei abaixar a poeira.

Mas para não ter que colocar meu advogado para trabalhar, (porque eu não estou podendo) eu vou usar nomes fictícios para me referir a algumas pessoas que eu conheci nesse meio.

Mas eu preciso te falar que de 2020 pra cá, aconteceram muitos golpes nesse pequeno mundo da resina.

E eu vou te mostrar como isso funcionou e ainda funciona, pra que você não caia em nenhum.

Se você gostar desse post, deixa um comentário no final, pois assim vou saber se posso criar mais conteúdos como esse.

O Golpe dos Influenciadores da Resina Começou bem Antes de 2020

o Golpe dos Influenciadores da Resina

Antes de falar sobre o Golpe dos Influenciadores da Resina, eu quero te mostrar como eu consegui descobrir isso.

Eu conheci a resina epóxi em abril de 2019.

Eu fiquei apaixonado pelos trabalhos de resina e vi que não tinha nenhum site que falava sobre o assunto, então como eu era analista de tecnologia, eu criei o Guia da Resina Epóxi.

A minha ideia era ter uma outra fonte de renda com algo que eu não precisasse usar o computador (odeio passar o dia todo na frente do pc).

Eu nunca tinha feito nenhum trabalho manual e nem tinha dinheiro para comprar materiais e ferramentas.

Então decidi criar esse site para escrever o que eu estava aprendendo e com o tempo, tentar ganhar algum dinheiro com os anúncios do google.

Então pesquisando eu conheci algumas poucas pessoas que trabalhavam com resina aqui no Brasil.

Cursos de Resina Epóxi

Conheça os 3 cursos de resina epóxi online mais vendidos do Brasil e veja que 1 deles não é pra qualquer um. Clique aqui para conferir.

Perfis pequenos, trabalhos predominantemente com madeira bruta e resina e alguns com quadros de efeitos aleatórios.

Muito se falava em mesas resinadas, era a sensação.

Eu eu acabei conhecendo algumas pessoas que trabalhavam com resina profissionalmente e algumas poucas que davam cursos online.

Tinham poucos cursos online, eu até busquei por alguns cursos que eu pudesse divulgar em meu site, mas só existiam 2 cursos bons.

Como eram poucas pessoas, eu comecei a acompanhar mais de perto e vi que essas pessoas tinham discursos contraditórios.

  • Eu tive a primeira sensação de que aquelas pessoas não viviam dos trabalhos que elas falavam.
  • Eu vi que tinha algo ali, muito maior do que produzir um trabalho de resina e entregar para o cliente.

Existiam empresas que criavam cursos e vendiam esses cursos através da internet.

E esse negócio gerava muito mais dinheiro do que o profissional poderia receber prestando serviço ou criando peças de resina.

O Golpe dos Influenciadores da Resina Se Intensificou na P@nademi@

o Golpe dos Influenciadores da Resina

Quando começou o ano de 2020, eu estava focado em ser o maior blog do Brasil sobre Arte em Resina Epóxi.

E daí veio a p@ndemi@ e tudo virou de cabeça pra baixo e bagunçou a vida de todo mundo.

As pessoas começaram a buscar o que fazer em casa e encontraram a resina epóxi como o artesanato da vez.

O Guia da Resina Epóxi deu um salto e as buscas por termos relacionados a artesanatos de resina cresceu muito.

Ainda existiam poucas pessoas que trabalhavam com resina profissionalmente e os cursos eram poucos.

Eu acompanhei de perto esses poucos cursos, participei de grupos e fóruns.

Esse cursos venderam MUITO.

Começou a se falar muito na internet sobre cursos de resina, mesas resinadas, pisos de resina, bancadas de resina, artesanatos, luminárias e tudo mais.

E com o passar dos meses e novos aplicativos como o TikTok, via-se que nas redes sociais, os vídeos sobre artesanatos com resina explodiam de visualizações.

As pessoas não tinham o que fazer em casa, pois ninguém podia sair pra trabalhar e nem ter lazer.

Então as pessoas ficaram fazendo duas coisas: ou passavam o dia todo olhando no celular ou procuravam algo prático para ocupar a mente. Para essas duas coisas, a resina serviu.

  • Vídeos “satisfatórios” de artesanatos de resina tinham milhões de visualizações.
  • Cursos online para aprender a fazer tudo aquilo em casa, começaram a vender muito.

Então, as pessoas que trabalhavam com resina viram que estava surgindo um grande mercado consumidor de vídeos.

E que isso levava consequentemente a novos clientes que poderiam ser tanto compradores de peças quanto alunos de cursos.

Este segundo com potencial muito maior de escala.

Logo, começou a corrida dos cursos de resina e o início do Golpe dos influenciadores de Resina

Colocando A Carroça na Frente dos Bois

Com vídeos de arte em resina viralizando nas redes sociais, a busca por materiais e por cursos cresceu muito e ocupou os trends topics do Google e das redes sociais.

As empresas que vendem resina multiplicaram em muitas vezes o seu faturamento, mesmo os materiais ficando muito mais caros.

Os vídeos de resina tinham milhares de comentários sobre como aprender aquela arte, onde tinha curso e onde vendiam materiais.

Vendo essa demanda por cursos aumentar, as pessoas que tinham acabado de entrar no mundo da resina tiveram uma brilhante ideia:

Criar um curso e se dedicar a colocar mais energia para vender o curso do que vender suas peças.

As promessas eram as mais apelativas como:

  • “Fature de 4 a 10 mil por mês com mesas resinadas.”
  • “Ganhe mais de mais de 5 mil em casa com chaveiros.”
  • “Como eu vivo da arte em resina faturando 6 mil por mês em casa.”

E o pior, sem que os próprios professores tivessem esse resultado.

Como tudo era muito novidade e estava em alta, quem estava de fora achava que todo mundo que dizia trabalhar com resina ganhava muito dinheiro.

E essa promessa atraia muitas pessoas que viam na resina, um novo meio de ocupar a mente e fazer uma renda sem precisar sair de casa.

Foi uma enxurrada de pessoas criando cursos e anunciando na internet com promessas apelativas.

Eu mesmo conheci várias pessoas que só mexiam com resina para vender curso. Vou relatar 3 dessas pessoas aqui agora.

O Golpe dos Influenciadores da Resina – Tunico, o Resineiro Turista

o Golpe dos Influenciadores da Resina

A primeira dessas pessoas é o Tunico (nome fictício).

Tunico é um cara bem esperto. Acredito que ele sempre foi uma pessoa boa em vender.

Ele começou a mexer com resina depois de ver que um certo curso de mesas resinadas estava vendendo bastante.

Então Tunico aprendeu as técnica usando madeira e resina. Um trabalho mais voltado pra homens.

E assim que aprendeu, ele resolveu montar logo o seu curso e começar a divulgar. ( Até aqui, nada de errado em fazer isso).

Só que Tunico não vendia suas peças. Sinceramente eu acredito que Tunico nem gostava de mexer com resina.

Ele não aparecia muito nas redes sociais. Quanto aparecia, era só pra falar mal de outras pessoas enquanto abria vagas para o seu curso.

Então eu não acho que ele não poderia fazer as promessas que ele fazia, como de ter renda com as peças, porque ele mesmo não tinha.

Nunca vi uma peça do Tunico a Venda.

Ele quase não postava as peças que fazia. Na verdade, ficava repostando peças que fez no passado, para tentar vender o curso.

Tunico sabia que a venda do curso é muito mais escalável, pois depende de saber fazer um bom marketing, que da menos trabalho do que produzir as peças de resina.

Ele só queria ganhar o dinheiro do curso.

O tempo passou e o público deve ter enjoado ou enojado da cara do Tunico. Ou ele mesmo deve ter se sentido um impostor.

Hoje ele abandonou suas redes sociais e não posta mais nada há um bom tempo.

Se ele ainda está vendendo o curso através de outros meios, eu não sei.

Mas hoje Túnico é uma pessoa irrelevante no mundo da resina.

Não há mentira que dure para sempre, assim como não existe verdade que não apareça.

O Golpe dos Influenciadores da Resina – Udson, o Empresário Bem Sucedido da Resina que Nunca Vendeu Nada.

o Golpe dos Influenciadores da Resina

Udson (nome fictício) é um vendedor NATO.

Pensa naquele cara que consegue vender até areia de praia na praia?

Udson é um cara que viu na resina, a oportunidade de fazer a sua vida e de sua família, mas não do jeito convencional.

Ele começou na resina, já tem um tempo, mas eu acredito que ele nunca vendeu nada. Só que ele é um vendedor NATO.

Então Udson resolveu aprender as técnicas de resina apenas para criar um curso. Sim, não havia nenhum interesse em prestar serviço ou vender suas peças.

Udson dominou muitas técnicas de resina e criou um bom curso de resina. Um dos mais vendidos do Brasil.

Ele e usou um marketing brutal para convencer as pessoas a comprar.

E o curso, é muito bom, eu mesmo já fiz e aprendi bastante. Quanto as técnicas, Udson nunca mentiu.

Realmente é possível aprender tudo o que ele ensina lá dentro. Cada detalhe.

Porém Udson prometia que as pessoas que fossem fazer aquele curso, iriam ganhar alguns milhares de reais como ele dizia que ganhou.

Ele mobilizava grande vídeos, com muita gente, um espaço muito grande.

Como se tudo aquilo ali fosse a sua empresa de mesas resinadas trabalhando para entregar suas peças de resina.

Algo nunca visto antes. O valor de cada peça que ele falava, eram altos: mesas de 6, 10, 15 e 20 mil reais, feitas com madeira e resina.

Lucros absurdos. Só que na verdade, as peças que aparecia eram apenas pra gravar os vídeos.

Ele mostrava que foi bem sucedido por conta da arte e da marcenaria com a resina, mas as imagens das peças se repetiam por muitos e muitos meses nos vídeos ao longo de meses e anos.

Quem acompanhava de perto, via que aquelas peças na verdade não estava sendo vendidas. Eram apenas para o marketing do curso.

Udson ficou MUITO rico, com patrimônio de causar inveja em qualquer resineiro.

Mas seu dinheiro NÃO veio da vendas de suas mesas, nem das mais baratas, muito menos das mais caras.

Seu dinheiro foi fruto de um marketing muito agressivo e muitas vezes enganador da venda de seus cursos.

Udson continua no mercado hoje, afinal ele é um ótimo vendedor.

Ele tem muitos parceiros vendendo o seu curso, que como eu disse, é muito bom para aprender as técnicas.

Mas não pense que você vai ganhar dinheiro como ele, pois seu patrimônio não veio do trabalho manual como ele diz nos vídeos.

O Golpe dos Influenciadores da Resina – Juliana, a Menina Prodígio da Arte em Resina

o Golpe dos Influenciadores da Resina

Na pandemia, com eu disse, apareceu muita gente dando curso de resina, mas agora tem muito mais.

A briga foi intensa para conseguir atrair a atenção do público.

E uma dessas pessoas que brigava para atrair a atenção do público foi a Juliana (nome fictício). A resineira The Flash!

Juliana foi realmente uma pessoa que me chamou a atenção.

Uma semana ela estava aprendendo a resina e começou a postar suas peças no Instagram.

Na outra semana, disse que comprou um carro com o dinheiro da venda das peças. Oi?

Lembra daquele meme do boneco cuspindo a comida? Então, essa foi a minha reação!

Como uma pessoa que mal tinha peças a venda no seu perfil, pode criar um curso tão rápido e divulgar falando que comprou um carro com o dinheiro da venda das peças, em tão pouco tempo?

Se eu não me engano, entre o primeiro post da Juliana no seu Instagram e a compra do seu carro, não se passaram nem 6 meses!

E você pode achar que isso é possível, que é mérito dela. E eu também acredito que pode ter sido mérito dela.

Como ela só vendia chaveiros, ela pode ter vendido uns 600 chaveiros, 100 chaveiros por mês, a 30 reais cada um e faturado 18 mil. Realmente uma menina prodígio né.

Está errada? De certa forma não. Ela pegou o dinheiro da resina e deu a ENTRADA em um carro.

Nada de errado nisso. Mas está vendo como o marketing é agressivo?

Isso sugere que ela começou a trabalhar com resina, em menos de 6 meses COMPROU UM CARRO e que se ela consegue outras pessoas também conseguem.

Mas comprar não é pagar né? Pra mim isso é apenas mais um Golpe dos Influenciadores da Resina.

Usar um marketing apelativo, para maquiar um resultado que a pessoa não tem e convencer outras do que é possível, sem que ela tenha conseguido isso.

Hoje eu não sei por onde a Juliana anda. Se ela continua comprando carros com o dinheiro das suas peças ou se parou de “ganhar dinheiro” com a resina.

Mas fica a dica: não acredite quando ver uma pessoa mostrando que tem muitos bens ou uma casa muito bonita e dizendo que isso foi por causa da resina.

Eu conheço muitas influenciadores que tinham uma condição muito boa, aparentemente ricos em comparação com o resto do povo e que vendiam a imagem de terem conseguido isso por conta da resina.

Pra ficar rico com a resina, existem poucos caminhos como:

  • Virar um artista muito famoso e fazer muitas parcerias;
  • Vender muito bem o seu curso, com uma equipe de vendas e um marketing agressivo;
  • Montar uma empresa para vender materiais para resina.

Vender suas peças normalmente como a maioria das pessoas fazem, não é escalável, pois é um trabalho manual.

Fica rico com isso é praticamente impossível.

O Efeito Colateral do Golpe dos Influenciadores da Resina

A corrida dos influenciadores para criar cursos de resina gerou um efeito colateral: o aumento da demanda por materiais usados na arte em resina.

Poucas empresas ofereciam uma boa variedade de produtos para arte em resina, entre ela a empresa Redelease.

A Redelease tem hoje, o site com a maior lista de materiais para se trabalhar com qualquer área da resina.

Inclusive eu sou embaixador da Redelease e tenho um cupom de desconto lá que da até 15% de desconto para compras no PIX e Boleto e 10% no cartão. Cupom GUIADARESINAEPOXI10.

Aqui também vou deixar um contato direto com o WhatsApp da Redelease, para tirar dúvidas antes de comprar qualquer material.

Fale o que você quer fazer e pergunte qual a resina ideal.

Existem outras marcas como a VIP Resinas, Ohana, Avipol e muitas outras.

E elas cobrem uma boa parte da demanda por produtos.

Porém hoje nenhuma empresa cresce rápido na internet sem um motor influenciador por trás.

Existem muito mais influenciadores da resina do que marcas que vendem resina, isso é lógico.

Esses influenciadores lidam diretamente com o público e conhecem suas demandas.

Eles veem comentários, respondem directs, dão suporte a seus cursos e muitos mais.

E pensa comigo: se você está lidando com o público e sabe o que ele quer, porque terceirizar a venda de um produto para ganhar comissão se você mesmo pode vender o seu próprio produto?

Então os influenciadores começaram a não só vender seus cursos mas também produtos relacionados como resina, pigmentos, moldes de silicone, acessórios e muito mais.

Afinal, porque ficar só vendendo as artes se você pode escalar seu negócio vendendo também os materiais?

E usando de sua influencia, os artesãos influenciadores se transformaram em empresários.

Tudo isso fortalece a mensagem de que quem comprar seus materiais e seu cursos, conseguirá ter as suas vidas bem sucedidas no mundo da resina.

Mas esses resultados não eram decorrentes da venda de suas peças e sim de outros negócios que eles criaram.

E olha, eu não estou dizendo que isso tudo é errado.

Pois eu apoio o empreendedorismo 100%. É assim que novos empregos são gerados.

Mas a mensagem foi passada para o público de forma errada e criou um grande preconceito com todas as outras pessoas que trabalham de forma séria.

A Seleção Natural e a Decadência do Golpe dos Influenciadores da Resina

Muitas pessoas que foram influenciadas a começar na resina por conta dessas promessas, abandonaram seus materiais.

Foram inúmeras postagens em grupos de WhatsApp e Facebook de vendas de produtos e acessórios para peças de resina.

Algumas se enganaram e outras foram enganadas por falsas promessas.

Muitas pessoas que chegaram a trabalhar com resina e até fazer algumas vendas, também desistiram, pois não se aperfeiçoaram o suficiente.

Pensaram que a resina era a sua galinha dos ovos de ouro.

  • Não é porque a resina é uma material versátil e com um incrível acabamento, que tudo o que se faz de resina será vendido.
  • O outro lado da moeda é a capacidade de marketing que cada pessoa tem de conseguir atrair clientes que compram suas peças.

E isso, poucas pessoas tem, não só no mundo na resina, mas em qualquer outra área.

É muito mais fácil produzir uma arte em resina do que vende-la. E muitas pessoas tomaram, na minha opinião, o caminho inverso para ter sucesso.

Criaram as peças e foram atrás de clientes aleatórios.

Quando na verdade, primeiro você deve ir atrás dos clientes e produzir as peças pra eles.

Você aprende isso quando aprende a empreender.

Mas como poucas pessoas dedicam tempo pra isso, o mercado de arte em resina começou a se auto limpar.

A maior parte das pessoas que iniciaram, desistiram.

O Hype da resina diminuiu, pois a p@andemi@ acabou e ágora as coisas estão normalizadas e todo mundo voltou a trabalhar.

Novos resinistas continuam surgindo, mas dos antigos, só ficaram aqueles que realmente levaram a sério e se profissionalizaram.

O Golpe dos Influenciadores da Resina sucumbiu.

Quem Se Beneficiou com Tudo Isso?

o Golpe dos Influenciadores da Resina

Agora que tudo está voltando ao normal e as pessoas estão mais conscientes com as promessas mirabolantes que tomaram conta do mundo da resina nos últimos 3 anos.

Muitas tomaram prejuízo e se arrependeram de terem comprados milhares de reais em materiais que nunca usaram.

Outras foram mais conscientes e construíram suas casinha de tijolos, sem pressa e sem pausa. Hoje conseguem viver da sua arte.

E algumas pessoas foram as maiores beneficiadas de todo esse movimento.

O Influenciadores que se Deram Bem

Quem soube usar as redes sociais para atrair público com suas artes e vender para esse público, seja suas peças, cursos e outros produtos, mandou bem.

A Geandra, começou a produzir suas artes na pandemia e seus vídeos viralizaram muito nas redes sociais.

Ela ficou bem famosa no mundo da resina. Criou um curso e viu que tinha uma demanda por materiais ainda maior que o curso.

Então investiu em produzir moldes de silicone para usar na resina.

Um tacada certeira. Agora as pessoas compram o curso uma vez com ela e os materiais compram sempre, fidelizando suas clientes.

Muitas pessoas tomaram esse rumo e viram que vender materiais é muito mais lucrativo do que vender suas peças e seus cursos e hoje dedicam muito mais tempo a isso.

Fazer a arte em resina, gravar o conteúdo e postar nas redes sociais, virou um veículo para vender seus produtos principais: os cursos e os materiais.

E como eu já disse, não acho isso errado, isso é empreender. Identificar uma demanda e criar uma oferta.

Agora que as pessoas já estão mais vacinadas das falsas promessas que tomaram a internet na pandemia, é difícil alguém conseguir enganar o público.

Os que ficaram, foi porque trabalham de forma profissional e as pessoas reconhecem isso.

Outras Empresas Cresceram e Muitas Surgiram

E as empresas que viveram um “boom” de vendas, agora tem mais dificuldade de conseguir novos clientes.

Elas precisam trabalhar mais na qualidade de seus produtos e buscar influenciadores para ajudar.

A resina não é mais novidade, muitas pessoas já viram alguma coisa feita de resina em algum lugar da internet.

Trabalhar de forma profissional, seja vendendo suas peças, seus cursos ou seus materiais se tornou o único caminho para ter sucesso na resina.

Mas o mais importante é se aperfeiçoar no uso das redes sociais para vender suas peças.

O mundo está muito dinâmico e qualquer pessoa que tenha mais de 25 anos tem dificuldade de acompanhar.

Esse é o maior desafio.

Você Quer Começar na Resina esse Ano?

Se você ficou com medo de cair na lábia de alguns desses influenciadores, tem dois caminhos pra seguir: fazer sozinho ou investigar bem a vida do professor antes de comprar algum curso.

  • Fazer sozinho é bom pra quem é auto didata e tem tempo e dinheiro pra fazer muitos testes até fazer dar certo.
  • Quem não tem muito tempo e dinheiro pra perder, geralmente investe em conhecimento pra aprender mais rápido.

Mas tudo isso depende do que você vai fazer. Algumas técnicas de resina dispensam qualquer curso.

Por exemplo, as peças de resina em moldes de silicone e os trabalhos de camadas superficiais na madeira. Você aprende isso facilmente no Youtube hoje.

Quanto a querer fazer algum curso, procure ser mais cético na hora de escolher o professor(a).

Isso porque, eu mesmo já fiz cursos em que a professora postava fotos bonitas das peças no Instagram e convencia muito fácil a todos, mas o curso era muito ruim.

E depois descobri que alguns dos professores dos cursos que fiz, não viviam da arte como eles pregavam.

Pois é, eu mesmo já cai no Golpe dos Influenciadores da Resina e por isso estou te escrevendo esse post.

Independente do valor do curso, investigue bem a vida do professor ou professora.

Aqui vou mandar uma lista de itens que você deveria investigar de alguém antes de comprar um curso:

  • Quando começou na resina?
  • Vende as peças?
  • Tem relatos de clientes?
  • Ostenta muita na internet e fala que o dinheiro veio da resina? (ALERTA)
  • Vende materiais para resinar junto com o curso e faz muitas promessas apelativas? (ALERTA)
  • Fotos de muitas peças próprias ou só de alunos? (ALERTA)
  • Posta fotos de peças que não são próprias? (ALERTA)
  • Tem CNPJ ?
  • Tem reclamação no Reclame aqui do Curso?
  • Tem quantos alunos?
  • Quem são os alguns dos alunos? (Instagram deles)
  • Os alunos tem resultado?
  • Quais os resultados dos alunos?
  • Veja depoimentos (em vídeo de preferência)
  • O que falam desse professor(a) pela internet?

Seguindo esse script, você vai eliminar boa parte dos influenciadores golpistas da resina.

Bom, eu espero que você tenha gostado desse artigo, pra que você não caia mais em nenhum golpista na internet que fala que mudou de vida por causa da resina, mas nunca vendeu uma peça na vida.

Todos tem o direito de vender qualquer coisa, desde que não engane ninguém.

Não há mentira que dure para sempre, assim como não existe verdade que não apareça.

Conheça mais dos meus conteúdos gratuitos do blog:

Seguir essas dicas ajudarão a tornar o seu projeto o mais tranquilo possível. Você tem alguma Dúvida? Entre contato através do nosso e-mail:  contato@guiadaresinaepoxi.com.br

2 comentários em “O Golpe dos Influenciadores da Resina Epóxi”

    1. Fala Edison, tudo beleza? Que bom que você gostou! Precisamos falar a verdade, pois o dinheiro das pessoas não é capim e o tempo não volta. Assim vou poder ajudar outras pessoas a não caírem no mesmo golpe que muito caíram incluindo eu. Vamos pra cima então marujo, boas ondas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima

Esse site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site.